Autor Webmaster

porWebmaster

Programa De Qualidade de Vida e Capacitação Emocional na Escola

É com muita alegria que compartilhamos com todos nosso primeiro contato com o projeto “Programa De Qualidade de Vida e Capacitação Emocional na Escola”, realizado no dia 17 de abril de 2018 na escola estadual de ensino fundamental e médio Leopoldino Rocha, de Itaipava – Itapemirim/ES.

Estaremos durante todo o ano desenvolvendo atividades com o foco da saúde mental e da qualidade de vida dos docentes e discentes, bem como de toda a equipe desta instituição de ensino.

O Miesperanza, como associação educacional, cultural e assistencial tem orgulho de contribuir com o desenvolvimento dos municípios onde mantém polos de ensino.

Agradecemos a toda equipe da escola, em especial a diretora Orlanda Gervásio que tem sido uma excelente parceira.

#ProjetoDeSaúdeMentalNaEscola #MiesperanzaProjetosSociais #SociedadePsicanaliticaMiesperanza #Miesperanza #MiesperanzaUniversity #PoloDeEnsinoMiesperanzaItaipava #EscolaLeopoldinoRocha #Psicanalise #CompromissoSocialMiesperanza @EEEFM – Leopoldino Rocha

Programa De Qualidade de Vida e Capacitação Emocional na Escola

porWebmaster

De Freud a Lacan

Pretende-se, com este artigo, discutir a especificidade do objeto da angústia, declarado como inexistente por Freud. Com a formulação teórica estabelecida por Lacan em 1962/1963 de um objeto conceitual que escapa a toda significação e apreensão imaginária, essa discussão tomou novos contornos. Trata-se do conceito de objeto a, um objeto constituído de pura falta, decorrente de uma insatisfação. Este texto desenvolveu-se a partir da concepção da perda do objeto de satisfação, citada por Freud como mítica. Intenta-se também aproximar o conceito de objeto a dos conceitos de “estranho” e “familiar”, relacionados por Freud em 1919 ao conceito da angústia, considerando-se a declaração lacaniana da proximidade do que é familiar na vivência deste conceito

porWebmaster

‘Os Fantasmas de Ismael’ se aprofunda na psicanalise

O novo filme do diretor Arnaud Desplechin mostra a crise familiar de um cineasta.

Depois de “Reis e Rainha” (2004), “Um Conde de Natal” (2008), “A Sentinela” (1992), “Como Eu Briguei (Por Minha Vida Sexual)” (2008), o diretor francês Arnaud Desplechin volta aos cinemas com “Os Fantasmas de Ismael”, que entra em cartaz nesta quinta-feira (3), e se aprofunda na psicanalise.

Na história, acompanhamos o cineasta Ismael (Mathieu Amalric) que perdeu sua primeira esposa Carlotta (Marion Cotillard), desaparecida há 20 anos. Quando ele finalmente superou sua perda com a ajuda de Sylvia (Charlotte Gainsbourg), seu primeiro amor volta para assombrar a sua vida. Tudo isso enquanto o protagonista está produzindo um filme para seu irmão Ivan (Louis Garrel), um diplomata que adora falar sobre conspirações políticas.

É parte da mudança brusca na vida dos personagens que o longa de Desplechin se desenvolve. A produção retrata uma crise familiar de forma complexa e se aprofunda no melhor da psicanalise, usando a narrativa que fez o diretor tão famoso durante a década de 1990.
porWebmaster

O Cristianismo não é Filosofia, tampouco ciência.

O Cristianismo não é Filosofia, tampouco ciência. Cristianismo é a mensagem da criação, ser e finalidade do homem em que, nalgum ponto na existência deste, toda a realidade significativa ontológica do homem fora infusa por dúvidas. A crença básica, natural e necessária para interação homem-realidade fora rompida pela inversão Eu (Sujeito/Realidade) e tu para o tu (objeto carente de referência externa) e Eu (sujeito cognoscente). A questão é oriunda da passagem do Éden, conforme Gênesis.1

A implicação de uma epistemologia biblicamente orientada é que os princípios básicos para a justificação de uma crença se dá, antes de tudo, teo-ontologicamente.2 Agostinho mesmo, uniu ambas as esferas do conhecimento, quando em sua leitura de Gênesis, aplicou à condição pós-queda o próprio esmaecimento que o eu pode ter de si mesmo quando a sua referência primária é perdida, i.é; Deus. Assim,

A questão do esquecimento e da memória traduz, no campo do conhecimento, a condição pós-queda. Agostinho considera mediante divisão entre o que a alma sabe e o que ela não conhece de si, pormenorizada por ele ao explorar a diferença de dois verbos latinos: nosse e cogitare. A notitia […] concerne ao saber originário da alma – um saber implícito, indestrutível, inamissível e proveniente da visão da luz divina. A cogitatio […] versa do conhecimento reflexivo adquirido pela alma que, devido à concupiscência, busca a si mesma na exterioridade, sobrecarregando-se de impressões daquilo que ela não é. […] Assim mesmo, quando o homem busca saber em que sentido é imagem divina, não obstante se apresentem cogitações erradas, ele sabe que busca se conhecer, e isso é uma consequência do que é saber que é: conhece que busca e quer conhecer. […] Para Agostinho, o conhecimento de si não é a aquisição de algo não possuído, mas o processo de despojamento de tudo que encobre o saber de si mesmo.3

Agostinho, Calvino e Dooyewwerd pressupõem que o problema de Deus (conhecimento) é intrínseco ao homem. Uma reflexão do homem sobre si já o remeterá à sua raiz ontológica, ou seja, Deus. Então, antes de se tratar de um conhecimento propriamente considerado epistemológico, trata-se de uma busca por Deus. Deste modo, a filosofia está relacionada à fé.

Por Dr. Zilmar Ferreira Freitas